Mesmo que possa ser que estejamos “acostumados”, mas quando pensamos em comprar qualquer produto ou contratar qualquer serviço em nosso país, não há como não lembrarmos da carga tributária que tanto nos sufoca no dia a dia.

Principalmente na compra de carros, essa lembrança é ainda mais dolorosa, até porque a certeza de “estar perdendo” é bastante acentuada. A equação é bem simples. Perdemos se “damos” o nosso usado como parte do pagamento e ainda perdemos se, além disso, tivermos que financiar a diferença. Não podemos esquecer também que teremos que gastar mais com mais impostos (IPVA, licenciamento, etc.), seguro e, claro, manutenção.

Por esses e outros motivos é que órgãos públicos e empresas privadas estão preferindo, ao invés de comprar carros para constituir suas frotas, terceirizar as mesmas. Mesmo sob a crise econômica que vem afetando praticamente todos os segmentos nos últimos três ou quatro anos, um setor especifico tem conseguido crescer.

Estamos falando do segmento de locação de frota de veículos que, de acordo com a “Pesquisa sobre gestão de frotas empresariais: estado atual, percepção de valor e tendências”, prevê que por volta de 32% das empresas brasileiras aumentarão suas frotas de veículos em 2019. No lado das locadoras de frotas de automóveis pesquisadas, 26,6% declararam que aumentarão suas frotas em 20%.

De acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA), em 2017, 16,56% (cerca de 360 mil unidades contra quase 218 mil em 2016) dos emplacamentos de veículos no país pertenceram as locadoras de frotas. Um dos motivos para a expansão do segmento foi a mudança de foco dos modelos de negócio, visando a atração e a retenção de novos clientes.

Por outro lado, órgãos públicos e empresas facilmente perceberam a vantagem da locação em relação a compra. As frotas são compostas de minivans, Sedans, SUVs e, inclusive, blindados, todos eles geralmente equipados com ar condicionado, airbag, trava e vidro elétrico, direção hidráulica, cambio automático, bluetooth, freios ABS, etc.

Fonte: Exame