Após seis anos sendo desenvolvido pelo Nami, um instituto estatal Russo de tecnologia e transporte, no último dia 07 de maio, a Kortej (cortejo em português), limusine presidencial, foi estreada por Vladimir Putin em sua quarta posse como presidente da Rússia.

Desde os tempos da extinta União Soviética em 1991, a Kortej é a primeira limusine a ser produzida internamente. O veículo que possui aparência imponente, lembra o americano Chrysler 300, mas, segundo especialistas, não se aproxima em aparência nem de longe com as formas harmoniosas da limusine Mercedes-Benz S600 Guard Pullman que vinha sendo utilizada por Putin até então.

Embora produzida na Rússia, o modelo não rompeu completamente a ligação com Alemanha, uma vez que as fabricantes Porsche e Bosch ajudaram a desenvolver respectivamente o motor e os sistemas eletrônicos do veículo. A blindagem segue todos os tradicionais protocolos de limusines presidenciais, tais como: célula de sobrevivência para casos de ataques químicos e sistemas avançados de comunicação. Para conseguir movimentar um peso de aproximadamente cinco toneladas e 6m de comprimento, o veículo foi equipado com motor de 4,4 litros e 592 cavalos de potência.

Há informações não oficiais de tratar-se de um modelo híbrido, ou seja, além do motor tradicional, o veículo é também equipado com um motor elétrico que representa uma ainda “tímida”, mas certamente futura tendência para veículos em todo o mundo, embora hajam afirmações (também não oficiais) de que o motor elétrico será acionado apenas em caso de falha no outro motor.

As primeiras limusines produzidas pela então União Soviética ocorreram nos anos 1940 para o ditador Stalin e membros do partido comunista. Com o colapso do país a partir de 1991, o presidente da época, Boris Ieltsin passou a usar modelos da Mercedes e só agora Kortej inaugura um novo período.

Imagem